quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

uma história... a minha

Falar da história de uma vocação, e nomeadamente da minha vocação, é sempre muito difícil, já que, é quase impossível citar cada momento, de que Nosso Senhor se serviu para fazer esta mesma história comigo. Por outro lado, acho que não sei distinguir com clareza esse instante, se é que ele existiu, em que, demos por decidido e clarificado o discernimento vocacional. Contudo, sabemos que foi fruto de uma caminhada longa.
Apesar de não ter memória clara disso, contam os meus pais que em criança, por vezes, quando inquirido do que queria ser quando fosse grande, eu me saia com a desconcertante resposta: “quero ser padre”. Lembro-me sim, que no meu imaginário havia um homem que eu admirava, que era por sinal sacerdote, o padre de toda a minha meninice e juventude, o Pe Manuel Gonçalves.
Durante os meus anos de catequese, e quão felizes foram eles, o Pe Manuel foi sempre presença constante, quer nas visitas às salas de catequese, nas festas e nas celebrações. Nas “Missas de crianças”, limava a linguagem e sabia ter sempre gestos de grande ternura que nos cativava. Acho que era por isso, que não raras as vezes dizia para comigo: “gostava de ser como ele”.
Tudo isto se desenhava no contexto de uma família católica, cujas raízes profundamente cristãs, ajudaram a semente, que temerariamente despontava, fosse crescendo. Os meus pais, vieram da Madeira tinha eu 5 anos, e viemos viver para o Concelho de Alcochete. Contudo pela proximidade, a vida cristã foi vivida no Santuário da Atalaia, dai que nunca tivesse relação com a comunidade eclesial alcochetana.
Pela adolescência, não fiquei imune ao afastamento da Igreja. Por essa altura descobri a vocação teatral, que se sucedeu à ideia apaixonada de ser arqueólogo. Os estudos em teatro progrediram na Companhia Gilteatro de Alcochete, subindo ao palco com diversas personagens em cerca de dez peças. Enquanto as luzes da ribalta e os aplausos me ofereciam momentos de grande alegria, no meu espírito o Senhor ia traçando outro argumento.
Aos poucos voltei á vida activa na Igreja, e fui sendo vencido por Aquele que nunca se deu por vencido, mesmo quando declarei a sua derrota. Depois de ter começado a estudar teologia, como leigo, fui descobrindo coisas novas, que me deixaram profundamente interrogado sobre a minha vida e futuro. Parei os estudos e fui durante um até Moçambique, onde fui conhecer a realidade missionária, pelas mãos dos Leigos Boa Nova um grupo da Sociedade Missionária da Boa Nova. Este foi um ano cheio de desafios, onde me deparei com uma Igreja tão diferente daquela que eu conhecia. Foi um dos melhores anos da minha vida, que não cabe aqui falar, mas que foi decisivo na minha caminhada vocacional.
De volta á casa paterna, retornei à teologia e á vida profissional ainda na área do teatro. Neste regresso tornei a esquecer as minhas interrogações vocacionais, até porque tudo parecia encaminhar-se definitivamente para a vocação matrimonial, o que me deixava feliz e tranquilo.
Mas o Senhor, que jamais se deu por vencido, desperta de novo no meu coração a interrogação sacerdotal. Foram semanas de angústia, aquelas que precederam a ruptura de uma ligação, e o início do caminho que me fez chegar aqui.
Após a decisão tomada, com a ajuda do meu pároco (na altura já residia na paróquia do Montijo) fui discernindo a vocação, trabalhando por esta altura mais empenhadamente nas comunidades da Atalaia e Afonsoeiro. Nos encontros semanais do seminário, a decisão foi ganhando contornos, definições e por fim já era uma certeza.
Entrei no Seminário acompanhado de 5 companheiros. Todos nós tivemos percursos diferentes de estudos, o que provocou que durante a nossa formação nos desencontrássemos no nosso percurso. Dois de nós são hoje já sacerdotes, um de nós decidiu sair, um preparar-se para receber o ministério de Leitor e o Carlos e eu o Diaconado. Dou graças a Deus por este tempo e por cada um deles, que me proporcionaram grandes momentos de alegria. Foi aí, que no confronto da vida comunitária, fui provando a minha vocação, e nos diálogos aparentemente solitários, fui com o senhor chegando a certezas cada vez mais firmes.
A dias da minha ordenação diaconal, muitos foram aqueles que me foram dando os parabéns. Entre obrigados, dei sempre graças a Deus por todos aqueles que me ajudaram a chegar aqui. Não dizendo nomes, porque não é espaço nem tempo para isso, sei que nos vossos corações este meu agradecimento vai ecoar, e no meu, este sentimento vai perpetuar-se, até que, um dia, o Pai vos retribua tudo o que fizestes por mim.
Junto aos pés de Santa Maria, quer do Bom Sucesso, comunidade que me viu nascer, ou da Atalaia que me viu crescer, entrego-me à vossa oração, para que Jesus me conceda o dom da santidade.
Pedi para nós, bem como para todos os diáconos e sacerdotes o dom da santidade.

Casimiro Henriques
27.Dezembro.2007
Festa de S. João, Evangelista

2 comentários:

Edu disse...

Que Deus te acompanhe sempre e ilumine o teu caminho rumo à santidade.
A minha filha pode orgulhar-se de ter um padrinho extraordinário :-)
Um grande abraço

PrincípedaHistória disse...

Axo que já ouvi isso. Que o Senhor te abençõe. Foste uma grande ajuda e inspiração.

Carlos Sécio